III CFPBio - SE



CARTA CONVOCATÓRIA III CFPBio –SE

Olá companheiros e companheiras da Biologia de todo o Sudeste e quiçá das demais regiões
do Brasil!
O Centro Acadêmico da Biologia UFSCar - São Carlos tem o prazer de convocá-los a
participar do III Curso de Formação Política da Biologia do Sudeste, que ocorrerá entre os dias 14 e
21 de julho de 2010, realizado no Centro de Formação do MST - “Dom Helder Câmara”, localizado
no município de Ribeirão Preto-SP.

“Sociedade, Ambiente e suas contradições: o fogo comendo, o sonho cantando, o povo faz o
resto."

É com esta temática que propomos trabalhar e compreender o ambiente e a sociedade de
maneira indissociada, avançando sobre uma visão de mundo baseada na fragmentação do
conhecimento e do senso-comum. Através de espaços de formação, discussão, estudo, trabalho e
reflexão buscaremos nos aprofundar na análise de conjuntura da lógica social atual, refletindo sobre
os desafios impostos para os biólogos e biólogas nos dias de hoje como seres coletivos com
potencial transformador da realidade em que estamos inseridos. A partir desta análise da realidade,
acreditamos que o Movimento Estudantil da Biologia possa contribuir organizando os/as estudantes
para que possam encontrar unidade e clareza em suas lutas, identificando e posicionando-se ao lado
do povo e a favor da conservação da vida e do meio ambiente.
Com isto, contamos com a presença e contribuição de todos e todas em mais um espaço de
encontro, alegria, esforço e sonhos a serem compartilhados!

Para maiores informações consulte o blog http://cfpbio2010se.blogspot.com ou mande um email
para cfpbio2010se@gmail.com. As inscrições serão entre 24 de maio e 25 de junho através do
mesmo e-mail.

Comissão Organizadora III CFPBio SE São Carlos
Centro Acadêmico da Biologia UFSCar- São Carlos
Entidade Nacional de Estudantes de Biologia


XXI EREB - SE 2010



Repensando os renováveis: "Vale a pena verde perto esse processo"


Aconteceu o XXI EREB - SE na cidade de Ribeirão Preto - SP, dos dias 03 ao 06 de junho de 2010.
Pela primeira vez duas Universidades com contextos diferentes, uma pública e outra particular, construiram e sediaram coletivamente o evento, proporcionando assim uma discussão mais ampla tanto nos Pré-EREBs como no EREB - SE em si à respeito do tema a ser tratado.
A Comissão Organizadora é formada tanto por estudantes do Centro Universitário Barão de Mauá - RP como por estudantes da USP-RP
E o evento teve como sede o Centro Universitário Barão de Mauá na unidade do Irajá localizada à Rua Chile, 845 no Jardim Irajá - Ribeirão Preto – SP.


Soberania já...

Esse é para você camponês
Que pelo agronegócio é massacrado
Tendo de deixar de vez
Tudo que por anos você tem cultivado

Dedico a vocês, oh povo do campo
Este poema que com humildade foi escrito,
Para você que com simplicidade segue lutando tanto
Para manter o nosso alimento, bendito!

Sim, é para você pequeno agricultor
Que tem a vida destruída pelo senhor da cana
E é obrigado a trabalhar para este “doutor”
Que só quer saber de nadar em grana

A você trabalhador eu me dirijo
Que com suor e facão tem batalhado
Sim, ao trabalho escravo eu me refiro
Esse trabalhador que junto da cana morre queimado

Me volto a toda classe oprimida
Pisada pelo capitalismo,
Que do povo quer tirar a comida
E no lugar plantar cana, relembrando o feudalismo

Nessa luta milenar
Nós, estudantes também estamos dentro
Com a luta do povo precisamos nos identificar
Pois quando falo povo, é porque com ele também estamos sofrendo

Já é passada a hora
De se mover
A mudança começa agora
E ela precisa ocorrer

Chega de êxodo rural
Chega de o alimento exportar
Chega de importância para o capital
Agora é a vez da soberania alimentar!!!

De que vale um Brasil cheio de terra
Com brasileiros sem nenhum alimento
O povo daqui berra:
Por favor pra nossa barriga de um sustento!

E assim o nosso pais segue
Super valorizando o dinheiro
Mostrando para os gringos que o etanol a gente consegue
Mas não sabemos valorizar o dificil trabalho de um lixeiro.

Thiago Pasin (THC) - 22/04/2010

COREBIO - BOTUCATU

Foi enviada uma convocatória para os grupos via e-mail constando data e o local do COREBIO - SE. Segue abaixo o modelo da convocatória!

Convocamos através desta a próxima reunião do Conselho Regional dos Estudantes de Biologia da região Sudeste (COREBIO - SE) a se realizar nos dias 13 e 14 de março de 2010 nas dependencias do Centro Acadêmico V de Junho Campus RUBIAO JUNIORS, Botucatu - SP
Podemos adiantar que o valor da inscrição está previsto para R$25,00 (passível de pequena alteração) inclui café, almoço e janta e ficaremos alojados em lugar coberto portanto não será preciso trazer barraca.

O COREBIO terá como pautas:

1. Construção do Ereb - 2010;
2.Funções do coletivo paulista;
3.Calourada coletiva


Solicitamos a todos e todas que confirmem presença por email ou se necessário por telefone indicando também se é vegetariano, onívoro ou se não curte algum tempero específico.
Serão encaminhadas em breve mais informações sobre a vinda a Botucatu, a estadia e a programação.
O CAVJ agradece desde já e esperamos ansiosos, Abraços a todos!

Qualquer duvida 11-9138-6368 (pikeno) / 16-9731-7001 9 (tossu)/ 11-9191-6405 (toninho)

CONEBIO - AL

O CONEBIO vai acontecer dos dias 25/02 ao dia 01/3 em Maceió. Para decidir pautas remanescentes da última reunião que ocorreu em sampa (USP), como por exemplo a limitação de vagas e a reavaliação dos espaços presenciais.
Aguardamos a relatoria da USP para anexarmos...

ENEB 2009



LONDRINA, AÍ VAMOS NÓS!!

A Ordem dos Transgênicos: Engula esse Progresso!

A humanidade encontra-se em um momento histórico onde as tecnologias cientificas estão sendo intensamente desenvolvidas. A demanda gerada por uma gama de forças produtivas necessárias ao progresso faz surgir a cada dia novas formas de exploração da natureza. O atual modelo de crescimento econômico gera enormes desequilíbrios. Se, por um lado, nunca houve tanta riqueza e fartura no mundo, por outro, a miséria, a degradação ambiental e a poluição aumentam dia-a-dia. Os riscos que a sociedade contemporânea corre são, em grande parte, derivados da própria intervenção humana no planeta, particularmente derivados das intervenções do sistema técnico-científico. A conservação de ecossistemas naturais é constantemente ameaçada pela crescente demanda por recursos naturais e por espaços produtivos, sendo a agricultura e a pecuária extensiva um dos principais causadores dos problemas ambientais mais graves.

Em todo o território brasileiro é bastante evidente que o modo como vem se organizando os sistemas produtivos no campo gera grandes disparidades sociais e graves prejuízos ao meio ambiente. A degradação de ecossistemas como o cerrado, a mata atlântica e os campos sulinos pela ocupação agropecuária coloca em ameaça a biodiversidade de fauna e flora, além de exaurir solos e contaminar ambientes aquáticos. Concomitantemente o domínio do mercado agrícola por grandes latifundiários exclui toda forma de empreendimento de menor porte como a agricultura familiar, resultando no êxodo de populações do campo para a cidade, intensificando a miséria e os problemas sociais recorrentes deste processo.

Desde o advento da revolução verde a sociedade assiste à um amplo desenvolvimento de novas tecnologias na produção de alimentos. A agricultura extensiva aparelhada com máquinas e agroquímicos aumentou em muito a produtividade no campo para dar sustento à demanda cada vez maior de consumo, sendo este alavancado por um aumento populacional sem precedentes. A fronteira agrícola impulsionada pelo novo modo de produção, “o plantation“, avançou sobre ambientes naturais gerando a substituição de ecossistemas inteiros por plantações e pastagens. Os recursos naturais estão sendo exauridos para alimentar uma agroindústria poderosa e que cresce a cada dia, gerando problemas ambientais de ampla gravidade.

O desenvolvimento técnico-científico vem gerando formas inovadoras de se explorar a terra de maneira mais eficiente e lucrativa, tendo a promessa de menor agressão ao meio natural. Com o avanço da biotecnologia e o desenvolvimento da engenharia genética foi possível produzir organismos com características diferentes das naturais, os organismos geneticamente modificados, ou transgênicos. Sua utilização se desenvolveu em grande escala na produção agrícola, a partir da geração de plantas resistentes a fortes herbicidas entre outras técnicas já desenvolvidas. O novo tipo de plantio traz a promessa de menor prejuízo ao meio ambiente por utilizar-se de plantas com resistência maior e que não necessitam de aplicação tão intensa de agroquímicos. De fato as empresas que desenvolveram a tecnologia a defendem sobre o lobby ambiental, e vem controlando o mercado através da criação de patentes sobre os OGMs produzidos. As implicações deste processo ficam expressas no próprio domínio do mercado de produção agrícola pelas empresas que comercializam a nova forma de plantio, utilizando a manipulação da vida para monopolizar a produção de alimentos, e, mascarando a continuidade da degradação ambiental por contaminação química e destruição de ecossistemas. Além do que não se tem uma idéia clara dos efeitos dos alimentos produzidos em cultivos transgênicos sobre a população, já que a maioria já esta no mercado e nem sequer é rotulado.

A forma como o mercado vem gerando maiores demandas por tecnologia e dela se apropriando para revolucionar os modos de produção, principalmente no campo da manipulação da vida, ultrapassa as discussões dentro dos meios de pesquisa e não respeita os fundamentos éticos na utilização destas ferramentas.

Neste contexto percebe-se a necessidade de inserir a problemática da transgenia na produção agrícola em discussões dentro da universidade, como parte importante da atuação do profissional biólogo, uma vez que este protagoniza o desenvolvimento da biotecnologia no meio cientifico e suas aplicações na sociedade. Tendo em perspectiva a indissociabilidade dos problemas ambientais com os econômicos e sociais, e da necessidade de ações efetivas que minimizem ou revertam os efeitos negativos de um modo de organização exploratório e inconseqüente o qual é perpetuado pelas forças produtivas, torna-se imprescindível um questionamento de qual é o papel da universidade, dos centros de pesquisa e das entidades estudantis na busca de soluções que minimizem ou resolvam os principais problemas. A demanda de profissionais gerada pelo ensino superior deve criar formas de atuação e intervenção na realidade que resultem em alternativas socialmente dignas, economicamente viáveis e ambientalmente sustentadas.

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR O SITE DO ENEB!


EREB - SE 2009


Com a temática "O Papel do Biólogo e a Universidade que o Forma" o XX Encontro Regional dos Estudantes de Biologia do Sudeste já tem data marcada!
Feriado de Corpus Christies - 11 a 14 de Junho na UNESP de Botucatu
mais informações no blog erebse2009.blogspot.com

CFPBio Sul - vagas para o Sudeste



Vai rolar o CFPBio Sul em Londrina (sede do ENEB 2009) e a galera de lá liberou algumas
vagas para o pessoal do sudeste. clique aqui para ser encaminhado para o site do evento!

GTP Agroecologia

A agroecologia e os princípios da ENEBio

Entendendo a agroecologia como um modelo técnico-científico que propõe uma diretriz sustentável, ela não dissocia as problemáticas social, econômica e ambiental.
Reconhecendo o cenário de destruição da biosfera pelo ser humano e o seu papel como agente transformador da mesma, a agroecologia é uma ciência que agrega diversas áreas do conhecimento: agronomia, ecologia, economia, antropologia, etc.
Lutando por uma eqüidade social, a agroecologia vai de encontro ao estilo de desenvolvimento rural (as monoculturas), e contra a adoção de um modelo de modernização dependente de tecnologias externas,
causador da perda da diversidade genética, degradação do solo e desperdício de grandes quantidades de água.
Discordando do sistema capitalista, que se baseia na exploração do ser humano,na privatização e mercantilização dos recursos naturais, pessoas e valores,a agroecologia defende a disseminação e o
desenvolvimento de um conjunto de técnicas,que respeitam os ecossistemas locais, a biodiversidade e acabam reduzindo os impactos ambientais na atividade agrícola, valorizando o homem do campo,sua
família,seu trabalho e sua cultura.
Percebendo a necessidade de mudança nos padrões técnicos da agricultura,o MEBIO em conjunto com outros movimentos populares devem lutar por um novo projeto de sociedade calcada na implementação de
políticas públicas que garantam o acesso e a permanência de grupos sociais historicamente desfavorecidos.
A agroecologia como proposta revolucionária deve se alicerçar na cidadania e em bases democráticas, utilização de metodologias de intervenção e com caráter emancipatório e transformador que leve o
individuo a refletir e a atuar conforme as reais necessidades do seu meio social.
cané - e.v.a /gtp/nta - UFS

Arquivamos algum material que a galera do GTP Agroecologia disponibiulizou para todos lá no ENEB Maranhão. Bom Proveito!

Agroecologia: uma ação transdisciplinar

Agorecologia - Pedrosa, Maria P.

Construção participativa de indicadores de sustentabilidade


A economia solidária diante do modo de produção capitalista

A cooperação coletiva na produção e seus desafios

Ciência e Tecnologia - onde está a mentira?

Colheitas e pragas, a resposta estará nos venenos?

Sistemas Agroflorestais: aspectos ambientais e sócio-econômicos

trofobiosis para agricultores

viabilidade de empresas geridas por trabalhadores


manejo ecológico do solo

agricultura biodinâmica



Se o mundo tivesse 100 pessoas - Pré EREB


"Mas o que ocorre, ainda quando a superação da contradição se faça em termos autênticos, com a instalação de uma nova situação concreta, de uma nova realidade inaugurada pelos oprimidos que se liberta, é que os opressores de ontem não se reconheçam em libertação. Pelo contrário, vão sentir-se como se realmente estivessem sendo oprimidos. É que, para ele, "formados" na experiência de opressores, tudo o que não seja seu direito antigo de oprimir significa opressão a eles. Vão sentir-se, agora, na nova situação, como oprimidos porque, se antes podiam comer, vestir, calçar, educar-se, ouvir Bethoven, enquanto milhões não comiam, não calçavam, não vestiam, não estudavam nem tampouco passeavam, quanto mais ouvir Bethoven, qualquer restrição a tudo isto, em nome do direito de todos, lhes parece uma profunda violência a seu direito de pessoa. Direito de pessoa que na situação anterior, não respeitavam nos milhões de pessoas que sofriam e morriam de fome, de dor, de tristeza, de desesperança.
É que, para eles, pessoa humana são apenas eles. Os outros, estes são 'coisas'. Para eles, há um só direito - o seu direito de viverem em paz, ante o direito de sobreviverem, que talvez nem sequer reconheçam, mas somente admitam aos oprimidos. E isto ainda, porque, afinal, é preciso que os oprimidos existam, para que eles existam e sejam 'generosos'... " Paulo Freire em Pedagogia do Oprimido

I EPEB

video de abertura do I EPEB, realizado em Botucatu no outono de 2008
(clique aqui para abrir)

SINAES - ENADE


Entidade Nacional dos Estudantes de Biologia (TIRADO NO COENBIO)

6 de novembro de 2008

Manifesto sobre o SINAES/ENADE

Integrado ao SINAES (Sistema Nacional de Avaliação do Ensino Superior), o ENADE (Exame Nacional do Desempenho dos Estudantes) é um dos instrumentos de avaliação do Ensino Superior utilizado pelo governo federal. É uma prova aplicada a uma parcela dos estudantes ingressos e egressos nas universidades públicas e privadas em todo o país.

O que escutamos de boa parte dos nossos professores, coordenadores de curso até mesmo de alguns colegas é da importância de fazer essa prova para “testarmos nossos conhecimentos” ou “sabermos se estamos preparados para o mercado de trabalho”. Mas será que dá para saber de tudo isso só pela nota da prova? Será mesmo que o essencial da nossa formação deve ser preparação para o mercado de trabalho? Já paramos para pensar quem são as pessoas que elaboram a prova e pensam os critérios de avaliação? Avaliar e reconstruir o ensino superior é necessário e urgente. Mas de que avaliação estamos falando?

Antes de analisarmos a eficiência desse sistema, precisamos entender o que, de fato, significa avaliar. O que se tem no senso comum é a avaliação como a aplicação de instrumentos e organização dos conceitos obtidos, ou seja, algo meramente técnico e quantitativo. É preciso deixar claro que a avaliação é um processo. Deve ser a soma de uma série de ações que permita que toda a ação educativa seja estudada, gerando um juízo, uma idéia panorâmica sobre esta. A partir dos dados colhidos e da idéia gerada, devem ser tomadas decisões no sentido de tornar essa ação cada vez mais significativa para toda a comunidade.

Portanto, avaliar é mais que o momento da prova. [Talvez essa seja a parte menos significativa da história toda!]. Concebemos a avaliação como uma questão também política. Os critérios utilizados têm como referencia um padrão que expressa uma visão de mundo, imprimem as relações estabelecidas em nossa estrutura social. Entendemos ainda que, sendo um processo, a avaliação antevê a idéia de controle de qualidade, supõe, na verdade, tanto uma confiabilidade dos dados obtidos (e, conseqüentemente no instrumento utilizado), quanto na análise, interpretação e criação de situações de intervenção como forma de garantir essa qualidade. Portanto, o processo de avaliação é algo importante na elevação da qualidade do trabalho acadêmico (ensino, pesquisa e extensão) e conduz à construção de uma universidade democrática e crítica.

Não é o que observamos estar posto nas propostas oficiais do governo. O que tem sido a marca dessas propostas é a freqüente desconsideração de que: (a) avaliar uma instituição é mais do que à soma de escores individuais de desempenho de professores e estudantes; (b) a avaliação e o que se avalia, portanto sua qualidade, ocorrem em condições concretas e específicas de cada instituição; (c) não existe avaliação que mereça esse nome se não se avaliar as condições efetivas oferecidas à e pela instituição para a produção acadêmica (pesquisa, ensino, extensão); (d) o projeto institucional e a política acadêmica seja referência básica para o estabelecimento de qualquer critério ou processo de avaliação.

Assim, o que fica claro nas propostas oficiais é a concepção de universidade que parte da eficiência e produtividade, obedecendo a uma lógica mercadológica e levando a concentração tanto de formação quanto de produção em poucas instituições – o que o Governo chama de universidades de conhecimento, também conhecidas como centros de excelência.

Analisando os critérios que são utilizados e as características do ENADE fica claro o porquê da inadequação deste instrumento, bem como de todo o SINAES, para avaliar as instituições de ensino superior no país, se o que queremos é uma universidade democrática e de qualidade para todos e todas.

No ENADE só existe um tipo de prova para todo o país, assim, desconsidera as particularidades de cada região, de cada curso. Tenta, dessa forma, criar uma homogeneidade irreal entre as instituições. Outro fator que torna o ENADE ineficiente como instrumento de avaliação transformador é o seu caráter punitivo, ranqueador e obrigatório. As universidades que não tenham um rendimento satisfatório tendem a receber menos verbas e fechar suas portas, quando deveriam receber mais incentivos para que possam melhorar, enquanto que mais bem colocadas recebem premiações. O mesmo ocorre com os estudantes: aos que faltarem ao exame, não há emissão dos diplomas, enquanto que para o mais bem colocado em cada curso há a premiação com bolsas de estudo. Desse modo, fica instituído o valor da competição que em nada contribui para a construção de uma universidade de qualidade. Outra questão é a não diferenciação entre público e privado. Devemos estar comprometidos com a universidade pública e não ficar emitindo conceitos para as universidades particulares, em que, para estas, o conceito que lhes é dado serve apenas como ferramenta de marketing.

Portanto, o ENADE (conseqüentemente o SINAES) ignora a existência de uma universidade comprometida com o ensino, com a pesquisa e com a extensão articulados a realidade de cada instituição, com a comunidade onde cada uma delas está inserida.

A ENEBIO faz um chamado nacional a todos e a todas estudantes de biologia a boicotarem esse modelo! Acreditamos na construção coletiva de um processo avaliativo que utilize instrumentos que sejam de fato legítimos, não punitivos e integrados; que envolva a atuação responsável dos diferentes segmentos institucionais em todas as fases do processo e que esteja em sintonia com a instituição pública e de qualidade que queremos.

ENEBio

GTP Arquivo Histórico

É com muito prazer que nós do DA PUC Minas Betim com apoio do DA UFMG e CA UNA entregamos ao MEBio parte do material Arquivo Histórico da ENEBio. Neste breve texto tentamos resgatar e sintetizar parte da nossa história, que se confunde com a do Brasil, baseado nas diversas pastas garimpadas no DA UFMG, já que esse DA foi responsável em 1991 pelo Centro Histórico do Movimento Estudantil da Biologia.
Esse GTP foi assumido em 2007 no ENEB Viçosa, por quatro escolas PUC Minas – Betim, PUC Minas – Coração Eucarístico, UFMG e UNA. Porém durante os trabalhos as três últimas universidades tiveram problemas de organização e passaram a apoiar os trabalhos, principalmente as duas últimas. Em Betim, foi construída uma equipe de 14 estudantes, que se interessaram pelo tema e contribuíram efetivamente para esse atual trabalhos.
O material da UFMG foi organizado nos seus respectivos anos em pastas identificadas.
Outra fonte de informações existente foi o material repassado pelo CA UFV, que era até 2007 a sede do GTP. Cada estudante se responsabilizou por ler um ou dois anos da nossa história, que estavam separados nas pastas. Após a leitura foram realizadas reuniões para repasses e posterior digitalização do material.
Sabemos que ainda é muito pouco o que fizemos para tanta informação, discussões e luta. Ainda há muito material sobre CONEBio e EREB-SE, mas é uma contribuição muito bem vinda para valorizarmos mais nossa história e evitar erros passados, algo que diagnosticamos durante a leitura do material.
Esperamos que esse material sirva de estímulo para que os CA ́s e DA ́s organizem seu material e leiam a sua história, que com certeza tem muito a revelar e a contribuir com o MEBio. Que a ENEBio possa realmente caminhar com passos firmes, para o futuro de tantas incertezas.
Desejamos a todos (as) uma ótima leitura...
Moisés Borges de Oliveira
GTP Arquivo Histórico - ENEBio

CONEBIO

Carta Convocatória para o XXI Conselho Nacional de Entidades de Biologia



Brasília, outubro de 2008



A TODAS E TODOS ESTUDANTES DE BIOLOGIA DO BRASIL



Nós da Comissão Organizadora do XXI Conselho Nacional de Entidades de Biologia – CONEBio temos grande satisfação em convidar estudantes, Diretórios e Centros Acadêmicos de biologia de todo o Brasil para participar do CONEBio-Brasília, que ocorrerá de 31 de outubro a 03 de novembro de 2008 na UnB.

O CONEBio é composto por representantes das escolas de Biologia de todo o Brasil, e juntamente com o Encontro Nacional de Estudantes de Biologia – ENEB, é o mais importante espaço de planejamento e construção do Movimento Estudantil de Biologia. O principal objetivo do CONEBio é planejar coletivamente as atividades da ENEBIO – Entidade Nacional dos Estudantes de Biologia, inclusive a construção do próximo ENEB, que será realizado na Universidade Estadual de Londrina. A pauta proposta para o CONEBio, que pode ser modificada no encontro, é a seguinte:



1. Eleição da sexta escola que comporá a Articulação Nacional da ENEBIO;

2. Eleição dos Grupos de Trabalho Permanente não eleitos no ENEB;

3. Definição das tarefas de cada escola da Articulação Nacional da ENEBIO;

4. Construção coletiva do ENEB-Londrina: data, tema, metodologia e outros;

5. Outros encaminhamentos da Assembléia Nacional do ENEB-São Luís;

6. Elaboração de um calendário de atividades da ENEBIO



A inscrição para o CONEBio será feita quando da chegada dos participantes, e será necessária a cobrança de uma pequena taxa para o custeio do encontro. Ainda não definimos o valor da taxa, porém estamos dedicando todos os esforços para que ela não ultrapasse algo em torno de R$30,00.

Pedimos que nos enviem um e-mail para conebio.brasilia@gmail.com, informando nome completo, RG, e-mail e telefone celular dos participantes, bem como o nome da escola representada. Lembramos que cada CA/DA de biologia pode enviar até dois representantes, um titular e um suplente, e pedimos que todos tragam uma ata de posse do CA/DA e ata da reunião que indicou os representantes. E não se esqueçam de trazer também barraca, colchonete, cobertor, prato, talheres, caneca e material de higiene pessoal.



Contamos com a participação de todos, e esperamos por vocês aqui em Brasília!



Comissão Organizadora do XXI CONEBio

SSAMPA PITACOS

Atenção a todos que nos visitam.................está declarado aberto o mais novo espaço virtual do MEBio. O ssampa-pitacos.
Um espaço diferenciado onde todos podem postar para o mundo suas reflexões sobre todo e qualquer assunto desejado.
para acessar o ssampa - pitacos clique aqui, e para enviar seu pitaco, mande-o para ssampamail@gmail.com

Carta de principios

Os Princípios da ENEBIO
Durante o XXVIII ENEB que aconteceu em Viçosa, depois de muita discussão e metodologias finamente aplicadas, foram tirados os princípios que orientariam as lutas da ENEBio. Estes princípios iniciais foram rediscutidos durante horas a fio pelos representantes das escolas de biologia presentes no Conselho Nacional de Entidades de Biologia - CONEBio que aconteceu em novembro de 2007 em São Gonçalo - RJ organizado pela UERJ-FFP.
Depois de muitas inscrições para fala, questões de ordem, discussões semânticas, cigarros, bocejos e muito café chegamos a nossa Carta de Princípios, que hoje começa a organizar os nossos anseios pela luta e passará a traçar nossos passos logo logo… ASSIM NOS ORGANIZAMOS E ESPERAMOS!

carta de princípios da enebio

SSAMPA 11 e 12 de outubro

Olá gente,

depois de um fim de semana de diálogo sobre o nosso coletivo SSAMPA tiramos muitas coisas que estão aí na relatoria. dêem uma olhada em como ficou, e pra tod@s aproveitem a leitura, reflitam e debatam... vamos aí (re)construir nosso coletivo, nosso movimento, tecendo a manhã.

Um galo sozinho não tece uma manhã:
ele precisará sempre de outros galos.
De um que apanhe esse grito que ele
e o lance a outro; de um outro galo
que apanhe o grito de um galo antes
e o lance a outro; e de outros galos
que com muitos outros galos se cruzem
os fios de sol de seus gritos de galo,
para que a manhã, desde uma teia tênue,
se vá tecendo, entre todos os galos.


E se encorpando em tela, entre todos,
se erguendo tenda, onde entrem todos,
se entretendendo para todos, no toldo
(a manhã) que plana livre de armação.
A manhã, toldo de um tecido tão aéreo
que, tecido, se eleva por si: luz balão.


Tecendo a manhã - João Cabral de Melo Neto

ENEB 2008

Mais um ENEB aconteceu e para todos que não puderam comparecer, as atas já estão disponíveis nos links a seguir:

Assembléia Nacional

Espaço MEBio

GTs

Pós jornada

Mesa Tema 1 - políticas públicas relacionadas ao meio ambiente e educação

Relatoria do COREBio-SE

Devido a extensão do documento, a relatoria do I COREBio-SE não será publicada no blog. Para visualiza-la clique aqui

Relatoria Reunião Virtual SSAMP@

Para ficar por dentro do que foi discutido na reunião virtual do SSAMPA que rolou domingão dia 7 de setembro...pleno feriadão ... clique aqui

Bicicletadas


O SSAMPA apóia e tenta promover bicicletadas por todo o estado de São Paulo


assista uma das bicicletadas dos manos do fundão no dia mundial sem carro de 2006
clique aqui

Story of Stuff (história das coisas)


Este documentário feito pela ativista Annie Leonard, chamado “A História das Coisas” - The Story of Stuff- vem rodando o mundo, levando as pessoas a pensarem e refletir sobre a sociedade em que vivemos.

Versão dublada clique aqui
Versão legendada clique aqui

COREBio-SE

CARTA CONVOCATÓRIA PARA O COREBio-SE


Olá a tod@s estudantes de Biologia do Sudeste,


Apesar do super atraso, convidamos as entidades representativas dos estudantes dos cursos de Ciências Biológicas/Biologia das instituições de ensino superior do Sudeste para participar do Conselho Regional de Entidades de Biologia (COREBio), a ser realizado no DCE-UFMG em Belo Horizonte, Minas Gerais nos dias 15, 16 e 17 de agosto de 2008.


- E para que serve o COREBio?


O Conselho Regional de Entidades de Biologia (COREBio) é uma das instâncias deliberativas do MEBio, só está "abaixo" da Assembléia Final do EREB-SE, que é a instância máxima deliberativa do movimento. Esse é o primeiro COREBio do sudeste que ocorre depois da reestruturação da ENEBio no ENEB de Viçosa e tem como função tirada na Assembléia Final do ultimo EREB-SE de debater sobre quais seriam os objetivos de Articulação Regional (AR- é uma das instâncias deliberativa da ENEBio). Esse debate é de extrema importância visto a atual crise ambiental e social do sistema em que vivemos. Empresas como Aracruz Celulose e VALE avançam sobre nossas terras, o preço dos alimentos estouram e a cana ameaça a soberania alimentar. O povo organizado sofre cada vez mais repressão e criminalização. A educação é atacada por decretos do governo, e cursos de Biologia surgem do nada patrocinados por empresas que interferem nos currículos. Os estudantes têm um importante papel na transformação da sociedade, e para isso devemos nos organizar.

Ou os estudantes se identificam com o
destino de seu povo, com ele sofrendo a
mesma luta, ou se dissociam de seu povo
e, nesse caso, serão aliados daqueles que
exploram o povo."

Florestan Fernandes



XXIX ENEB - Maranhão


Săo Luís, 18 de abril de 2007

E aí, pequeno!

Cá estamos! E nós, entăo... Respirando ENEB! Depois da reorganizaçăo chegou a hora da açăo!!!

Nessa primeira Convocatória queremos conversar com vocês sobre duas coisas bem importantes: DATA e TEMA DO ENEB!

Depois de muitas reuniőes a data definitiva do ENEB saiu: 14 a 20 de setembro! Marquem nas suas agendas e preparem o busăo, pois a viagem é looooooonga! Essa é a melhor data pra nós, do Maranhăo, uma vez que o encontro só poderá acontecer em nossas férias.

O Tema?

"Valoriz(açăo) da Educ(açăo) para a Trans[form(açăo)] de ½ ambiente por inteiro"

Com esse tema pretendemos discutir os impactos das políticas públicas neoliberais sobre educaçăo e meio ambiente. Queremos, nesse Encontro, debater como as atuais políticas públicas dos governos, longe de solucionar problemas antigos relacionados a esses assuntos, na verdade, tem contribuído para o processo acentuado de sucateamento da educaçăo e acelerado intensamente o processo de degradaçăo ambiental. Além de analisarmos é necessário tirarmos um posicionamento das (os) estudantes de biologia do pais sobre assuntos tăo polêmicos.

Este é um tema bastante atual, uma vez que se pauta na realidade sócio - ambiental do nosso pais. Mutável, portanto. Esperamos de coraçăo que muitos de vocês venham! Toda e qualquer dúvida, por favor, entrem em contato conosco, por meio de e-mail:

eneb2008saoluis@yahoo.com.br - an_bio@yahoo.com.br - ar_ne@yahoo.com.br

Ou telefone da C.O.: Hugo - (98) 81468172; Dayse - (98) 96088403; Ciro - (98) 32210279/88115419. Năo tem como năo nos achar! Sintam-se convocadas(os)! E até setembro.

Saudaçőes Enebianas,

Meu facăo ficará mais amolado do que a língua da velha no batente. Vou cruzar oceanos continentes e lutar como herói em outras guerras Enfrentar os canhőes, tanques de guerra. E após derrotar a opressăo! Vou guardar na bainha meu facăo e voltar pro meu velho Maranhăo. (A guerra do facăo – Gerô)




CFPBio 2008 - São Vicente

O CFPBio é um curso promovido por estudantes e compõe uma das atividades organizadas pelo movimento estudantil de biologia, o MEBio. Visamos fomentar debates que contribuam para a criação de uma identidade e de linhas de ação para o movimento estudantil, bem como tentar compensar algumas defasagens da formação universitária.
Para mais informações, clique AQUI!

Em defesa do rio Iguape - video

Em defesa do último rio de grande porte do Estado de São Paulo que corre livre em todo seu curso, o Rio Ribeira de Iguape!!




outros links com informações imprtantes:
Ciranda
Midia Independente
Agência Carta Maior
Socio Ambiental
Caminhada Contra Barragem do Tijuco Alto (video)
Entrevista com a Ana Terra no Bola e Arte (video)

Macaé, 25 de maio de 2008

Ao IBAMA – Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis

Nós, estudantes de Biologia reunidos no XIX Encontro Regional de Estudantes de Biologia da região Sudeste, em 22 a 25 de maio de 2008 na cidade de Macaé – RJ, endossamos a luta de resistência das comunidades tradicionais do Vale do Ribeira contra a construção da Usina Hidrelétrica (UHE) de Tijuco Alto, entendendo que esta obra proporcionará danos irreparáveis aos ecossistemas da região, afetando o único bolsão menos fragmentado de Mata Atlântica, e as cavernas ao longo da Microbacia hidrográfica do Ribeira de Iguape, pertencentes ao Estado de São Paulo.

A eventual construção da UHE Tijuco Alto expropriará essas comunidades de seus territórios originais, e afetará diretamente sua cultura e atividades econômicas e de subsistência como pesca, maricultura, turismo ecológico, dentre outras.

Portanto, ressaltamos a necessidade de que o Instituto não conceda a Licença Prévia para a execução da obra em questão.

Assembléia Regional de Estudantes de Biologia - SE

UNESP de São Vicente participa de I Encontro Paulista de Estudantes de Biologia

Quinze estudantes do curso de ciências biológicas da Unesp de São Vicente participaram entre os dias 11, 12 e 13 de abril do primeiro Encontro Paulista de Estudantes de Biologia - EPEB, em Botucatu. Com objetivo de integrar calouros dos cursos de Biologia de todo o estado de São Paulo, o evento foi organizado pelo Centro Acadêmico de biologia da Unesp Botucatu e teve a programação composta por apresentação do movimento estudantil de biologia, grupos de
discussões, vivências e uma assembléia final.

Participaram do encontro cerca de 60 estudantes paulistas, além de dois estudantes da UFRJ que apresentaram os temas que serão debatidos no Encontro Regional dos Estudantes de Biologia, que será realizado entre dias 22 e 25 de maio, em Macaé. Para o estudante Diego Martinez, (7º semestre) que acompanhou os calouros vicentinos em Botucatu, o evento foi muito interessante tendo em vista a oportunidade de reunir futuros biólogos de diversas universidades, criando uma identidade da profissão "Foi bom apresentar e desmistificar alguns pré-conceitos
sobre movimento estudantil, conhecer pessoas novas e ampliar a rede social dos calouros", completa o estudante.

Na assembléia final do encontro, foram definidos os objetivos para o movimento estudantil de Biologia de São Paulo, além de estratégias para transporte aos próximos encontros do movimento, inclusão de outras universidades no movimento e indicativos para as próximas
comissões organizadoras do EPEB.

quem quiser ir direto ao link
http://www.universia.com.br/noticia/materia_dentrodocampus.jsp?not=42046
abraços e beijos no corpo
navala

Mais informações sobre a articulação paulista do movimento de biologia
podem ser obtidas pelo e-mail ssampa@yahoogrupos.com.br

Estatuto ENEBIo


Estatuto da Entidade Nacional de Estudantes de Biologia


TÍTULO I

Da Entidade Nacional de Estudantes de Biologia - ENEBio


Art. 1° A ENEBio é a entidade representativa, a partir de suas instâncias horizontais democráticas, de todos/as os/as estudantes de Biologia do Brasil, sem sede fixa, desvinculada do Estado, de partidos políticos e religiões, sem fins lucrativos e de caráter permanente.


Art. 2° A ENEBio tem por finalidade integrar os/as estudantes de Biologia (graduação e pós-graduação) de todo o território nacional, visando promover uma reflexão crítica sobre a sociedade e sua relação com a natureza, podendo atuar junto a outros órgãos, instituições e entidades de interesse, além de executar as deliberações de suas instâncias deliberativas.


Art. 3° As ações da ENEBio serão sempre orientadas por este estatuto e pela Carta de Princípios da entidade.


Art. 4° A ENEBio terá sua sede vinculada à escola eleita como organizadora do ENEB. Findo o encontro, a sede será automaticamente transferida para o encontro seguinte.


§ 1° A escola sede deverá ser eleita entre as escolas participantes do encontro que o antecedeu.


§ 2° Em caso de ausência de definição de uma nova escola sede do ENEB, ficará a cargo do CONEBio (ordinário e/ou extraordinário) propor uma solução.


§ 3° A convocação do CONEBio (ordinário e/ou extraordinário) será feita pela Assembléia Nacional do ENEB ou Articulação Nacional da ENEBio, que permanece com a mesma composição anterior ao ENEB.


§ 4° As escolas sedes dos EREBs e ENEBs são responsáveis pela organização e repasse de registros históricos do Movimento Estudantil de Biologia (MEBio) para as próximas escolas sedes dos encontros.


TÍTULO II

Da Estrutura da ENEBio


Art. 5° São instâncias de deliberações políticas e administrativas da ENEBio:


I- Encontro Nacional de Estudantes de Biologia (ENEB);

II- Conselho Nacional de Entidades de Biologia (CONEBio);

III- Encontros Regionais de Estudantes de Biologia (EREBs);

IV- Conselhos Regionais de Entidades de Biologia (COREBios);

V- Entidades de Base da Biologia - Centros e Diretórios Acadêmicos (CAs e DAs).


Art. 6° São instâncias executivas da ENEBio:


I- Articulação Nacional (AN);

II- Articulações Regionais (ARs);

III- Entidades de Base da Biologia - Centros e Diretórios Acadêmicos (CAs e DAs).



Art. 7° Os Grupos Temáticos Permanentes (GTPs), órgãos auxiliares da ENEBio, são fóruns de discussões locais coma a função de subsidiar os debates dos encontros e eventuais ações da entidade, sendo um compromisso da Articulação Nacional e das Articulações Regionais facilitá-los. Os GTPs serão focalizados por escolas visando à dinamização da discussão, sendo essas definidas na Assembléia Nacional do ENEB.


Parágrafo único. Entende-se por escolas as Entidades de Base (CAs e DAs) e coletivos locais.


TÍTULO III

Do Fundo Nacional


Art. 8° O Fundo Nacional representa o patrimônio financeiro da ENEBio. Possui caráter prioritariamente público, sendo suas verbas provenientes de eventuais lucros de encontros e conselhos ou de outras fontes deliberadas pela entidade. A sua administração (prestação de contas) será de responsabilidade da Articulação Nacional.


Art. 9° A aplicação dos valores provenientes do Fundo Nacional será direcionada na Assembléia Nacional e/ou no CONEBio, de acordo com os seguintes critérios:


§ 1° Os saldos provenientes de cada EREB serão destinados segundo os percentuais de:


I- 20% para a escola sede do encontro (com o teto de três salários mínimos, cujo excedente seja encaminhado ao Fundo Nacional);

II- 50% para a Articulação Regional;

III- 30% para o Fundo Nacional.


§ 2° O saldo proveniente do ENEB será destinado segundo os percentuais de:


I- 20% para a escola sede do encontro (com o teto de três salários mínimos, cujo excedente seja encaminhado ao Fundo Nacional);

II- 80% para o Fundo Nacional.


Art. 10. Fica estipulado que o Fundo Nacional terá um saldo mínimo de quinze salários mínimos e que a liberação de verba para cobrir eventuais prejuízos oriundos de encontros deverá ser imediata uma vez que a organização do encontro comprove o prejuízo, através de prestação de contas, à Articulação Nacional da ENEBio.


TÍTULO IV

Do Encontro Nacional de Estudantes de Biologia - ENEB


Art. 11. O ENEB é o fórum máximo de discussões e deliberações da ENEBio, de periodicidade anual. Cabe a esse constituir uma Assembléia Nacional que tenha como princípio o consenso e onde o voto possua caráter universal. Caso o consenso não seja atingido, que a decisão seja tomada pela maioria simples (50% + 1) dos/as estudantes de Biologia inscritos/as no ENEB e presentes na Assembléia Nacional.


Art. 12. Faz parte da comissão organizadora do ENEB a escola sede eleita na Assembléia Nacional.


Parágrafo único. As escolas candidatas a sediar quaisquer instâncias da ENEBio não votam no pleito ao qual concorrem.



TÍTULO V

Do Conselho Nacional de Entidades de Biologia - CONEBio


Art. 13. O CONEBio é composto por representantes das escolas de Biologia do Brasil. Havendo necessidade de votação, cada escola participante terá direito a um voto, sendo que as decisões se darão prioritariamente por consenso e, em caso de votação, por maioria simples (50% + 1) das escolas participantes.


Art. 14. O/A(s) representante(s) de cada escola deve(m) ser escolhido/a(s) a priori numa Assembléia de Curso em cada escola.


§ 1° Em caso de Assembléia de Curso inviabilizada, os/as representantes poderão ser indicados/as pelos CAs e DAs, através da apresentação de ata da reunião da entidade de base.


§ 2° Os CAs e DAs deverão apresentar ata de posse.


§ 3° Não serão aceitas procurações permanentes.


Art. 15. O CONEBio realizar-se-á anualmente entre os ENEBs, sendo sua sede e data escolhidos pela Assembléia Nacional do ENEB e podendo ser convocado em caráter extraordinário pela Articulação Nacional da ENEBio.


Art. 16. O CONEBio é uma instância deliberativa da ENEBio.


§ 1° Ao CONEBio compete:


I- Construção coletiva do ENEB;

II- Planejar as atividades da Articulação Nacional, de acordo com as deliberações da Assembléia Nacional do ENEB;

III- Prestação política do ENEB (relatório final dos espaços de discussão realizados no encontro e relatório da Assembléia Nacional);

IV- Prestação financeira do ENEB (apresentação de planilhas e pranchas dos gastos e arrecadações gerais e específicos, objetivando a transparência);

V- Deliberar sobre o montante do Fundo Nacional;

VI- Assuntos que a Assembléia Nacional encaminhar ao CONEBio.


§ 2° Não compete ao CONEBio deliberar sobre a estrutura do Fundo Nacional. Apenas a Assembléia Nacional delibera sobre esse ponto.


§ 3° O CONEBio poderá convocar extraordinariamente um outro CONEBio.


§ 4° Nas regiões onde não exista COREBio, a prestação política e financeira do EREB deverá ser feita no CONEBio.


TÍTULO VI

Dos Encontros Regionais de Estudantes de Biologia - EREBs


Art. 17. O EREB tem por finalidade a discussão das temáticas do ENEB anterior e do próximo a ser realizado, enfocando a realidade de cada região geopolítica do Brasil.


Art. 18. A escolha da escola que sediará o EREB deverá ser feita na Assembléia Regional do último Encontro Regional realizado ou, em caso de impossibilidade, na Assembléia Nacional do ENEB.


Parágrafo único. As propostas dos EREBs devem ser apresentadas no ENEB.


Art. 19. A organização do EREB será de responsabilidade da escola sede do último e a escola que sediará o próximo Encontro Regional, além de qualquer estudante de Biologia regularmente matriculado em outra instituição da região.


TÍTULO VII

Dos Conselhos Regionais de Entidades de Biologia - COREBios


Art. 20. O COREBio é composto por representantes das escolas de Biologia de cada região geopolítica do Brasil.


Art. 21. O COREBio realizar-se-á de acordo com a decisão da Assembléia Regional do EREB, podendo ser convocado em caráter extraordinário pela Articulação Regional da região.


Art. 22. O COREBio é uma instância deliberativa da ENEBio.


§ 1° Ao COREBio compete:


I- Construção coletiva do EREB;

II- Planejar as atividades da Articulação Regional, de acordo com as deliberações da Assembléia Regional do EREB;

III- Prestação política do EREB (relatório final dos espaços de discussão realizados no encontro e relatório da Assembléia Regional);

IV- Prestação financeira do EREB (apresentação de planilhas e pranchas dos gastos e arrecadações gerais e específicos, objetivando a transparência);

V- Deliberar sobre o montante destinado à Articulação Regional;

VI- Assuntos que a Assembléia Regional encaminhar ao COREBio.


§ 2° O COREBio poderá convocar extraordinariamente um outro COREBio.


TÍTULO VIII

Da Articulação Nacional - AN


Art. 23. A Articulação Nacional compõe-se de, no mínimo, seis escolas de Biologia, sendo essas de, no mínimo, duas regiões geopolíticas do Brasil.


§ 1° As escolas devem indicar-se a compor a Articulação Nacional, sendo essas responsáveis por desenvolver as atividades da mesma. Cada escola deve apresentar dois nomes de estudantes de biologia (um titular e um suplente), referendados em Assembléia Local de curso, como referência para acompanhar os trabalhos da AN.


§ 2° A AN trabalha em sistema de co-gestão com as Articulações Regionais, as quais têm o papel de acompanhar e fiscalizar as atividades da AN.


Art. 24. Compete à Articulação Nacional:


I- Articular a comunicação entre as escolas do MEBio;

II- Gerir o Fundo Nacional, com base nas deliberações da Assembléia Nacional, bem como elaborar propostas de arrecadação de recursos para a ENEBio;

III- Acompanhar e articular o funcionamento dos GTP´s;

IV- Realizar a visitação e/ou articular as escolas para divulgar o MEBio;

V- Acompanhar o trabalho das ARs;

VI- Aproximar o MEBio de outros Movimentos Sociais, garantindo os princípios e autonomia da ENEBio.


Art. 25. O CONEBio planejará as atividades da AN de acordo com as deliberações da Assembléia Nacional.


TÍTULO IX

Das Articulações Regionais - ARs


Art. 26. As Articulações Regionais serão formadas por escolas de Biologia definidas nas Assembléias Regionais dos EREBs com duração até a Assembléia Regional do EREB seguinte.


Parágrafo único. Em caso de impossibilidade, essas serão definidas na Assembléia Nacional do ENEB.


Art. 27. As Articulações Regionais têm por compromisso:


I- Manter contato constante com as escolas da região a fim de viabilizar uma real articulação;

II- Incentivar e orientar o trabalho das escolas;

III- Elaborar material de divulgação e para a formação do MEBio a exemplo de informes, cartilhas, textos, etc.;

IV- Difundir e construir, em conjunto com as escolas da região, os GTPs;

V- Contribuir na elaboração e organização dos EREBs;

VI- Promover articulação com as demais Articulações Regionais;

VII- Acompanhar e fiscalizar o trabalho da Articulação Nacional.


TÍTULO X

Das Disposições Gerais


Art. 28. O pedido de reforma estatutária poderá ser feito em Assembléia Nacional por qualquer estudante de Biologia regularmente matriculado e inscrito no ENEB. A proposta será discutida em um CONEBio, cuja pauta prioritária seja o ponto em questão. A aprovação da alteração será feita somente na Assembléia Nacional do ENEB posterior.


Art. 29. Os casos omissos do presente estatuto serão resolvidos na Assembléia Nacional.


Art. 30. O presente estatuto entra em vigor a partir da data de sua aprovação em Assembléia Nacional de Estudantes de Biologia.


Assembléia Nacional de Estudantes de Biologia


Viçosa/MG, 18 de Agosto de 2007